10ª Bienal de Berlim

Las Nietas de Nonó: “É urgente transformar a dor”

As irmãs e artistas porto-riquenhas Lydela e Michel Nonó estão presentes com suas performances na 10ª Bienal de Berlim. Theresa Sigmund conversou com elas para a Contemporary And (C&).

C&AL: Em suas performances, vocês utilizam sua história pessoal e a de seus parentes, para, a partir daí, se relacionarem com experiências das comunidades negras marginalizadas de Porto Rico. Por que escolheram essa abordagem autobiográfica?

M: O silêncio nos provocou a refletir sobre outras histórias de um arquipélago colonial com um discurso “oficial” homogeinizado. Quando a avó é expropriada de sua casa, uma prima nasce na prisão, órgãos reprodutores são extraídos de mulheres e as curandeiras são demonizadas, queremos refletir sobre isso em nossa arte. E se, ao mesmo tempo, essas histórias encontram um espelhamento em outros corpos negros, isso nos compele a apresentá-las. Entrar no espaço da performance com uma dramaturgia fragmentada nos permite ter espaço para que seja revelada a informação a que não teríamos acesso por meio da racionalização. Criar a partir de nossas vivências também é buscar estratégias para praticar a decolonização de nossos corpos.

L: Transformar a dor é urgente. Estamos curando as feridas de minhas avós, de minha mãe, das mulheres e dos homens da família. Temos de recuperar o espaço das vozes caladas. Nossa prática inclui o aprofundamento na memória do corpo, em suas células, seus ossos, até que a janela da memória ancestral seja aberta para libertar-nos do trauma. A abordagem autobiográfica me fez ter uma compreensão de mim mesma. Quando desenvolvemos uma cena, não entendo racionalmente por que faço tal gesto ou digo certa frase. Por exemplo, durante o desenvolvimento de Manual del bestiario doméstico (Manual do bestiário doméstico) surgiu a frase: “O mesmo medo de vovó, o mesmo medo de mamãe”, enquanto fechava uma geladeira vazia e velha com uma faca na mão. Nesse momento cênico, conectei-me com minha avó materna, Providencia, que não conheci viva, e em mim despertou mais compaixão e amor pelas mulheres de minha família que lutaram para viver, apesar da escassez e do deslocamento.

C&AL: Vocês tratam frequentemente de sua vizinhança. Performances como Manual del bestiario doméstico, sobre a vida de uma família, são situadas em sua própria casa. Há alguma separação entre sua vida privada e sua prática artística?

L: Os vínculos que herdamos em nosso bairro foram pontos-chave no processo de criação do Manual del bestiario doméstico. Enquanto criávamos, a casa começou a se expressar e contribuir com mais uma camada. Em cada apresentação, havia algum momento inesperado. No meio da peça, um vizinho me chamou da rua para me dar um recado. Atendi meu vizinho enquanto continuava com minha performance, tudo ao mesmo tempo. Tudo faz parte do processo. Apostamos na integração de tudo o que está ao redor das circunstâncias da performance. A casa tem uma sonoridade muito típica do bairro. Não consigo imaginar o Manual del bestiario doméstico em um espaço estéril que pode ser um teatro e que, em Porto Rico, ainda nos colocaria empecilhos à produção, com uma burocracia avassaladora. Não consigo imaginar uma prática artística separada da vida cotidiana.

C&AL: Na sua prática, vocês investigam muitos problemas das comunidades negras de Porto Rico. Qua é a sensação de apresentar seu trabalho em Berlim como artistas negras?

L: Na nossa comunidade, apoiamos atos contra o fechamento das escolas e em prol da recuperação de nosso bairro, que foi afetado pelo furacão Maria. Nosso bairro luta para recuperar a escola primária onde mais de três gerações estudaram e que o governo decidiu fechar em maio de 2017. Isso é um grande problema para uma comunidade negra que pertence à classe trabalhadora e só conta com as calçadas para caminhar, na ausência de um transporte público eficiente. Esses atos provocam o deslocamento de famílias, que agora se veem obrigadas a emigrar para os Estados Unidos. Na medida em que nossa proposta artística alcança visibilidade e questiona os problemas de nossas comunidades, é onde vemos a importância de estar na Bienal de Berlim.

M: Como parte de nossa pesquisa para Ilustraciones de la mecánica (Ilustrações da mecânica) em Berlim, fizemos contatos com ativistas e historiadoras afro-alemãs. Quando falamos a partir de nossa realidade como artistas negras queer em um sistema colonial, não permanecemos num contexto isolado, mas descobrimos relações com processos de exclusão e violência de corpos negros no mundo. As múltiplas relações que temos cultivado em Berlim no contexto de nossa pesquisa têm sido ótimas e estamos gratas pelo próprio processo.

C&AL: Vocês compartilhariam conosco o conceito de sua contribuição para a 10ª Bienal de Berlim?

M: Desde 2016, coletamos informações sobre o complexo médico industrial: a violência obstétrica e a demonização das curandeiras que se materializou na peça Ilustraciones de la mecánica. As ilustrações se alimentaram de apresentações no Haiti, em Cuba e em Chicago. Nesta Bienal de Berlim, apresentamos uma instalação multimídia que reflete a respeito dos corpos negros submetidos a experimentos clínicos em hospitais, escolas e prisões. A instalação continuará a ser processada durante toda a Bienal.

Lydela: O que nos entusiasma são processos longos e abrangentes, os espaços incomuns e um grupo pequeno de espectadores, a fim de gerar conexões mais íntimas. Penso num teatro vivo e, para manter isso, é preciso continuar criando a todo momento, sentir a nós mesmas, sentir as pessoas, deixar que o espaço fale conosco. Que não exista separação entre ator e espectador e que se crie um espaço em que sejamos ao mesmo tempo atores e testemunhas. Um laboratório em tempo real.

Theresa Sigmund, autora da entrevista, é pesquisadora freelancer na área de cultura. É editora/coordenadora da Revista Contemporary And (C&). Vive e trabalha em Berlim.

Traduzido do espanhol por Renata Ribeiro da Silva.

Goodman Gallery Ad
Tópicos